Orientações necessárias para ser um bom Yogi - yoga e meditação Rio de Janeiro

20/01/2017 22:29

Orientações para ser um bom Yogi

A filosofia pela yoga deve ser frutificada em todos os momentos, pela observação de atos, do equilíbrio e da pacificação de nosso Ser. Na impossibilidade de centrar-se todo o tempo disponível para yoga, importante inicialmente perceber através da administração do tempo diário o melhor momento de trabalhar a yoga, trabalhar o tempo disponível diário e semanal para concentração apenas na pratica yoga, determinando este período disponível como devoção a Deus e a si mesmo, primeiramente deve-se perceber ser a yoga uma atividade sagrada com disponibilidade de inúmeros recursos diferentes, todos com impulso de evolução do Ser e Estar, conhecer a yoga não é tão simples, demanda a observação inicial de estas virtudes a seguir e suas vertentes: estudo, concentração, paciência, compaixão, tempo, dedicação, amor e sabedoria. Estas oito virtudes se apresentam pelas principais vertentes características a seguir para evoluir e ser yoga todo tempo:

 

Estudo: As características vertentes de estudo estão fundadas pelo ensino aprendizagem, que poderá ocorrer com auxílio do mestre espiritual, guru ou diretamente na qualidade de textos sagrados antigos e atuais ou pela natureza do ser atencioso, sendo a educação do individuo direcionada a compreender a verdade absoluta, para assim alcançar a libertação da ilusão “Maya” e absolvição no sansara. O estudo acadêmico (ler e escrever, ou na falta destes em conjunto, saber ler e interpretar imagens, ou na falta destes, saber interpretar contos e revelar contos pela passagem oral) é importante para o individuo gerar consciência elevada pela tradição milenar por textos ou imagens e assim conseguir a passagem oral aos mais necessitados de estudos, através da palavra correta, em momento correto, de forma correta, pode-se atingir um individuo em total escuridão, sendo o orientador apto a caminhar em qualquer ambiente da escuridão em “Maya” promovendo a luz divina pela benção divina do conceito da virtude do bem pelo bem aos mais necessitados. Mesmo o mestre, o guru, o sacerdote, o curandeiro, pajé, sábio, deverá estar sempre em profundos estudos de si também, evitando erros e fraquezas. Não parar de estudar é prescindível ao acolhimento divino. Não se pode permanecer na escuridão aquele que ensina, devendo ensinar aquele que na escuridão resida e voltar-se a luz da pureza afastando-se de seres que na escuridão procuram um mínimo de atenção em caminho da luz, sendo este um dever do orientador e mestre quando assim for necessário. Para o buscador que não pretende ou não possui a maestria da orientação deverá se afastar de seres em escuridão da verdade, estudar para si, evoluir, ser feliz. Pois assim já participará de um mundo melhor sendo si próprio feliz por pertencer a Deus.

Maya é um termo filosófico que tem vários significados: em geral, ele se refere ao conceito da ilusão que constituiria a natureza do universo.

Sansara é o conceito da libertação do ciclo de mortes e renascimentos estando pronto a unificação final a Brahman por ser tudo Brahman inclusive nós mesmos. Apesar desta ser uma condição natural. Por exemplo, na escola Advaita de Vedanta hindu, o Samsara é visto como a ignorância do verdadeiro eu, Brahman, e sua alma é levada a crer na realidade do mundo temporal e fenomenal.

Concentração: Os exercícios espirituais ou Dhãranã (concentração) tem como objetivo atenção em obtenção da paz interior e percepção do real divino em nós, da leitura da verdade por nós mesmos, pela disciplina da concentração em atividades de yoga provocando a consciência em prol da espiritualidade interior e exterior. Concentração está relacionada com atenção em assuntos específicos, próprios para cada ocasião, poder centrar objetivos, identificar e focar eles. Grandeza da facilidade de tomada da melhor decisão promovendo a paz universal.

Paciência: Esta virtude em conjunto com a concentração nos eleva a consciência, a proeza em se manter firme e calmo, colabora para nutrição do nosso ser, gera longevidade pela paz e trabalha a benevolência, esperar para alcançar é uma virtude poderosa, devido ao ensinamento da natureza por Shiva, pela Mãe Natureza, para o individuo que trabalha o conhecimento, entender por si próprio o momento de agir e de esperar. Agir após esperar, esperar após agir, em determinado período de tempo.

Compaixão: Podemos utilizar para está virtude o saber desdobrado na vertente conhecida pela mensagem Cristã, sendo a frase: “Não fazer ao próximo o mal que não gostaria a si mesmo”. Poderemos então pensar sobre a frase! Se o mal for praticado pelo sadomasoquismo? Teremos como verdade, pela causa e efeito pela Mãe Natureza, pela emancipação em Shiva, que a pureza não tem espaço para o medo, a benevolência não tem espaço para a vingança, não se trata de permitir ou não, o próximo fazer mal a ti, mais permear a verdade pelo coração da pureza, não se trata de ingenuidade, nem fraqueza, mais o contrário, perpetuar o bem e deixar a natureza agir, Natureza Divina. No fortalecimento da alma pela distância da escuridão, a busca espiritual, seja pela filosofia bem aplicada, ou da religião bem praticada, o individuo compreende de forma profunda o valor do respeito, seja pelo próximo, pela natureza, respeito pelo invisível e distanciado absorvido, pelos mínimos e maiores seres, pelos mais belos, ou menos belos seres, por si. Tudo na vida é uma troca, sendo a compaixão a troca da dúvida pelo amor. Salve a origem.

Tempo: A virtude do tempo é o conhecedor yogi entender, harmonizar e unir, os três mistérios do pensamento, o mistério da regressão (passado), conhecer o mistério do “ser e estar” (presente), o mistério da divinação (futuro). Estas três vertentes quando dominadas e solucionadas pelo individuo (yogi), transforma-se em virtude única, a disciplina pelo yoga, purifica então o ser, transformando o mesmo em uma nova pessoa, prevalecendo agora o ser focado no Divino, pela boa prática da divinação e um melhor futuro pela boa pratica no presente.

Dedicação: Para o progresso de sucesso na evolução pessoal espiritual, a renúncia do material (matéria bruta) liberta da ignorância, não se trata de desaparecer da forma material apenas pelo desdobramento em meditação, mais de perceber o valor de importância da forma material. Entender que a renúncia retorna virtudes maiores do que as buscadas pelo acumulo do material (matéria bruta). Seria “tamas” libertação por uma causa maior. Importante o conhecedor yogi no decorrer de sua dedicação praticar yoga regularmente de forma renunciada, durante um período de tempo longo, como renuncia ao fator sexual, renuncia ao fator de poder, da fama, da condenação a si e ao próximo, renuncia alimentar e renuncia do direito de falar, chamado voto de silêncio, não absoluto, mais conservador.

 

 “...“Tamas”, Quando Tamas prevalece na nossa mente há pouco ânimo, externamos algumas de nossas piores características: preguiça, burrice, obstinação e um desespero forte e profundo. Tamas é frequentemente como a escuridão e a inércia.  O desamparo, o embotamento, a confusão, a resistência e a ignorância também são características de tamas. Quando ele domina, a mente pode ficar esquecida, sonolenta, apática e incapaz de qualquer reação ou pensamento proveitoso, a pessoa dominada por tamas parece mais um animal do que um ser humano; sem poder fazer julgamento claro, ela pode deixar de distinguir certo de errado. Como um animal viverá para si mesma e poderá ferir outros para conseguir seus desejos. Na sua ignorância e cequeira, poderá praticar ações perversas. Encobrindo o conhecimento adere à negligência...”

BHAGAVAD-GITA (14:9)

Amor: A palavra amor representa a verdade absoluta do bem pelo bem, não se trata de amoR a Roma, amor a um objeto, uma pessoa, entidade, um ser. A virtude do amor é perceber quanto se deve trabalhar a yoga, de amar sem se sentir pretensioso por amar. Isto acontece devido à palavra amar, amor, ser ambígua, não sendo aqui neste texto trabalhado, o incentivo, por exemplo, ao amor... a escuridão, nem tão pouco o amor à perfeição, sendo a perfeição apenas somente pela Consciência Suprema, devendo o yoguim ou yogi, buscar a perfeição eternamente, através do estudo, da queda de obstáculos e após pela disciplina. Pensadores yogi, a palavra amor ganhou muita força e poder, não podendo ser maior ou menor do que as palavras fé e sacrifício, felicidade, gentileza, trabalho, compreensão, ajuda e respeito. Amor é verdade. Rama é amaR.

Sabedoria: A Sabedoria tem premissa na observação de que tudo está vivo, devemos trabalhar o valor de que tudo existe, a ilusão em Maya também existe, o invisível existe, o visível existe, assim como o prãna (energia criadora do Cosmo) do universo existe, o prãna planetário existe, nada um dia imaginado, ou não conhecido, esta fora do existir, tudo está interligado, logo, tudo existe para todos. Assim como a mentira existe e se torna verdade por existir. Basta existir para ser verdade, porém a essência da verdade é somente da Consciência Suprema, aquele que toda verdade conhece, todos os corações, todas as formas e todos os pensamentos. Uma pedra qualquer, esta viva, pois assim como a Lua, uma grande pedra está em movimento, seja onde for, se movimenta, está viva, a verdadeira realidade demonstrará que a pedra está viva, a verdade é que ela existe. Tudo existe em Deus sendo verdade.

A mentira “tem perna curta” poderá existir, porém a Consciência determinará seu valor.

Por Mahahrdaya V. - Bruno Arcoverde